Logo Revista de Cultura

29 de janeiro de 2021

PODCAST TRANSLAÇÃO: JOICE MARINO ESTREIA NOSSO CALENDÁRIO DE ACONTECIMENTOS INCRÍVEIS

Erica Magni

Primeiro episódio foi gravado e construído a partir de texto e imagem publicados em nossa primeira edição, em agosto de 2020. O episódio traz a entrevista com o poeta Zé Carol, contando sua relação com Danill Kharms, além de uma tradução inédita do escritor russo que morreu em uma cela psiquiátrica. Joice Marino faz um experimento com o texto jornalístico, transformando o som em objeto poético para além da palavra.

Estamos felizes em anunciar, nesta primeira edição do ano, que a coluna Translação também será um podcast. Este primeiro episódio, que timidamente chamamos de “um objeto experimental”, é composto pelo texto da entrevista que realizei com o poeta Zé Carol e que traz a ilustração de Lane Bum, material publicado em agosto de 2020, aqui no site Revistas de Cultura.

Era o início de tudo, estávamos tateando linguagens e tentando saltar um pouco do que tradicionalmente se poderia fazer com a história de um poeta em transição que nos presenteou com uma tradução inédita de um texto russo. Fato é que para todes nós da equipe translação, Danill Kharms foi uma excelente porta de entrada, ou um alçapão de amplitude infinita, que nos deu abertura para outras alucinações, outros delírios mais graves ao longo do ano, inclusive este documento sonoro que subimos com muito orgulho e despretensão para a nossa plataforma no Spotify (siga-nos).

E foi com esta base de texto e imagem que a atriz Joice Marino, criadora do podcast, costurou uma narrativa sonora, nos convidando a mergulhar profundamente nas tramas de sua pesquisa sobre o som e o fluxo criativo, e desdobrando sentidos para além das palavras. Joice tenta e consegue subverter a sua própria mente (e a nossa também) nos caminhos de um teatro que se liberte dos adestramentos intelectuais.

Um rastro ruidoso pelo qual podemos nos aproximar da sua experiência íntima de criação, onde carne, vozes, números, ruídos e cores não parecem estar preocupados em cravar diferenças entre si. Partindo da imagem e do texto como estados de concentração, a atriz nos cria um estado de coisas em que nossas definições se confundem e avançam para além dos limites que traçamos. Neste estado então criamos, não delimitamos.

A atriz Joice Marino, que assina o Podcast Translação

Para finalizar com um tom mais pessoal, ressalto que conheço Joice há mais de uma década, e que esta artista em minha vida está como um místico totem de conhecimento experimental, a quem recorro sempre a fim de desviar-me das burocracias criativas, que poderiam me acometer com o que chamo de “doença de ataraxia poética”. Contra este mal que me assola, e creio que a todes poetas, recorro a ela. Está ali um antídoto poderoso, talvez minha única guru possível (risos). E é certo encontrar nela algum tipo de acolhimento eficaz, que flui naturalmente de sua experiência como corpo vagante no mundo. Não é à toa que seu animal interior é um javali. A maneira como ela faz seu câmbio intelectual prevalecer no caos é um frescor lenitivo na moleira de um recém-nascido, que dentro da bolsa sufocante de alguém, está cruzando um deserto árido, sem dar-se conta da travessia, e o deserto é o cotidiano.

(Eu, Lane e Zé) Damos boas vindas a Joice, que vem fazer parte oficialmente da equipe Translação, onde por aqui costumamos “brincar” de dizer que ACABAMOS: este é o nome de batismo deste movimento criativo que nasce entre nós, com nome trágico e engraçado.

E de fato, tivemos que desabar e acabar muitas vezes este ano durante a produção da coluna translação, desconstruir para recomeçar, a fim de alcançar uma viagem potente de sentidos, de novo, de novo e de novo, até quando necessário for preciso ocupar este espaço no site Revistas de Cultura, que amigavelmente hackeamos, trazendo conteúdo que deseja ser útil no sentido de aguçar o “se perder” a cada nova edição, inspirades por tantes artistes geniais que passaram e passarão por aqui em 2021.

Clique para ouvir o podcast

Desejamos um feliz ano novo para todes. Ouçam e viagem com o Podcast Translação, feito por Joice Marino especialmente para nós.

Por @ericamagni

Arte @lane_bum

Revisão: zé carol

Verão 2021

Compartilhe

Voltar ao topo

Postagens populares

Erica Magni

25 de novembro de 2020

UM CHÃO PARA BIA E UM MANIFESTO PARA O MUNDO

Bianca Kalutor lança manifesto inédito e convoca a sociedade para uma chamada pública sobre moradia urgente

Erica Magni

16 de setembro de 2020

A BRASILEIRA QUE FEZ LA FEMME COMER LA NATURE DE FRANK BURBAGE

Cecilia Cavalieri fez seu jorro ir tão longe, até chegar onde publicou, em língua francesa, o LA FEMME – o que ela não chama de livro e sim de dispositivo contracolonial de discurso filosófico.